Ubuntu e outras 8 lições de Nelson Mandela para o voluntariado e para a vida

Vamos trazer neste artigo o conceito de Ubuntu de acordo com Mandela e mais 8 lições que ele deixou para nós.

Este é um artigo em comemoração pelo Dia de Nelson Mandela, em 18 de julho, quando o líder sul africano completaria 103 anos de vida.

nelson mandela

Ubuntu

“Ubuntu não quer dizer que a pessoa não pode enriquecer. A pergunta é: você vai fazer isso de forma que a comunidade ao seu redor seja melhorada como um todo?” 

Mandela explica que Ubuntu fala sobre o senso de comunidade. A fim de ilustrar a ideia, ele usa o exemplo de um viajante.

Ao chegar em uma comunidade baseada na filosofia Ubuntu, este viajante não teria que pedir por comida ou abrigo.

Para aquelas pessoas, cuidar do outro é o mesmo que cuidar de si.

Ao concluir, Mandela diz que Ubuntu não quer dizer que devemos abrir mão de nossa própria riqueza, mas buscá-la de forma a respeitar e ajudar os outros a conquistá-la também.

Propósito

“O que conta na vida não é o mero fato de termos vivido; é qual a diferença que fizemos na vida dos outros que vai determinar a importância da vida que tivemos”

Nesta frase, Mandela ensina que nosso valor não está em nós mesmos, mas no bem que fazemos aos outros.

Quem se envolve em uma atividade de voluntariado sabe bem o que é isso: logo que a atividade acaba, vem aquele sentimento de gratidão por ter atuado e ajudado a minimizar o sofrimento de uma pessoa.

É por isso que se diz que quem ajuda também é sempre ajudado e esse conceito não poderia ser mais verdadeiro.

Educação

“Educação é a arma mais poderosa que podemos usar para mudar o mundo”

Ao lutar contra o apartheid, Mandela sabia que a falta de formação dos negros era uma arma do governo para manter o controle da população.

Cidadãos bem educados, com pensamento crítico, conseguem refletir sobre sua própria situação, assim como das pessoas ao seu redor.

Em um dos voluntariados da Vivalá, ouvimos uma frase que resume muito bem esse pensamento: “a gente sempre trabalhou com o corpo; a Vivalá está ensinando a gente a trabalhar com a cabeça”.

“É mais fácil educar um homem quando ele quer aprender”

Mandela sabia muito bem o valor de despertar no outro o desejo pela educação.

Durante muitos anos na prisão, inclusive, seu principal trabalho na luta pela liberdade foi levar formação aos seus companheiros.

Dessa forma, o combate ao apartheid se tornava mais organizado e agregava mais simpatizantes.

De maneira idêntica, percebemos na Vivalá que antes de iniciar o trabalho, é fundamental praticar a escuta ativa para entender quais são as reais necessidades daquelas comunidades onde vamos. Ouvimos e não presumimos. 

Assim, temos a certeza de que o impacto social que criamos vai refletir em pontos realmente importantes para os moradores locais e sua realidade. 

Liderança

“É inútil tomar uma ação à qual a massa se opõe, pois isso torna a ação impossível de ser colocada em prática”

Ainda falando sobre escuta ativa, nesta frase Mandela fala sobre a importância do líder ouvir com atenção seus liderados.

Por mais importante que uma ação possa parecer pra você, ela deve ser importante para todos. Mais vale um único passo dado por todos em conjunto do que avançar muito, deixando todos os outros para trás.

“Em discussões, assumir um tom moralmente superior ao do seu oponente nunca ajuda”

Na maioria das vezes, trabalhamos com pessoas que não tiveram acesso à educação formal. Por isso, sempre alertamos os viajantes sobre o respeito com as comunidades.

Mesmo que muitos não tenham completado o estudo, o conhecimento que aquelas pessoas adquirem com a prática e as tradições é muito valioso.

Existem diferentes tipos de conhecimento e de inteligência no mundo; logo interagir com pessoas diferentes são grandes oportunidades de troca.

“A organização jamais deve prometer que vai fazer mais do que é possível ser feito, sob pena das pessoas perderem a confiança nela. Nossas ações devem ser baseadas não em considerações idealistas, mas em ideias páticas.”

Esse é um outro ponto que insistimos a todo momento: prometa às pessoas apenas o que pode cumprir.

Às vezes, com a melhor das intenções, as pessoas prometem coisas que acabam sendo inviáveis de cumprir.

Com isso, comunidades se frustram e também podem perder a confiança em todo o trabalho realizado. Por isso, na dúvida, é melhor reduzir expectativas e focar no que é simples, prático, mas que pode ser feito imediatamente.

Justiça

“Uma nação não deve ser julgada por como trata seus cidadãos das classes mais altas, mas sim os das classes mais baixas”

É comum encontrar muita gente talentosa e inteligente em meio a comunidades que passam por dificuldades sociais ou financeiras.

Isso significa que o sucesso ou fracasso não depende só do esforço pessoal, mas das condições e oportunidades que a pessoa teve ou não ao longo da vida.

Quando Mandela disse essa frase, ele se referia especificamente aos presidiários e os maus tratos que recebiam na África do Sul do apartheid.

No entanto, ela serve até hoje quando observamos como muitas populações afastadas dos grandes centros urbanos recebem pouca ou nenhuma atenção do poder público e da sociedade de forma geral.

Assim, a Vivalá apoia as comunidades tradicionais brasileiras não por caridade, mas por entender que isso é uma responsabilidade de todos nós.

Liberdade

“Ser livre não é simplesmente arrebentar as próprias correntes, mas viver de uma forma que respeite e aumente a liberdade dos outros”

Pensando de outra forma: enquanto houver alguém que não é livre, nenhum de nós é livre de verdade.

Isso nos leva de volta ao início do artigo, quando falamos sobre o conceito de Ubuntu: a ideia de que “eu sou porque nós somos”.

A frase de Mandela nos lembra que a liberdade não é apenas física: ela deve ser também de pensamento, ação e oportunidades.

No trabalho da Vivalá, fazemos sempre questão de ressaltar que não praticamos assistencialismo, mas criamos em conjunto com a comunidade.

Isso porque acreditamos que cada indivíduo ou grupo deve ser dono de seu próprio destino e ter autonomia para tomar as próprias decisões.

Levar educação, fortalecer a economia e valorizar a cultura das comunidades tradicionais, em última instância, são ações ligadas à liberdade dessas pessoas.

Participe desse trabalho: acesse www.vivala.com.br/expedicoes e escolha a sua expedição!

Conheça mais sobre o voluntariado da Vivalá em www.vivala.com.br/como-funciona.

One response to “Ubuntu e outras 8 lições de Nelson Mandela para o voluntariado e para a vida

  1. Ótimo artigo, Gustavo, muita profundidade nos pensamentos do Mandela e nos seus. Sobre liberdade, acredito que a maioria das pessoas a entende como “poder fazer o que bem entender”. Vejo liberdade como “fazer as coisas sem ninguém nos vigiando ou nos obrigando”. Isto só é possível quando, voluntariamente, respeitamos as regras que combinamos com os que estão à nossa volta. Portanto, a liberdade me parece ser uma consequência de nossa disciplina no respeito à liberdade do próximo, como disse nosso grande Mandela.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *